sábado, janeiro 29, 2005

Gilberto Gil, promessa Kumprid !!!!

Na visita fet na mês de Dezembre na Praia, ministro de Cultura de Brasil, Gilberto Gil, prometé manda um delegação de se ministério pa espia áreas k ês podia coopera ma nôs. El promete e el kumpri. Na inicie dess semana li teve na Cabe Verde (Praia e Soncente) um delegação de Ministério de Cultura de Brasil composte pa assessora de ministro Gilberto Gil e um representante de Fundação Palmares (m ka tem certeza se tinha mas gente na kel comitiva). Segundo kel assessora de Gil, es pode bem dá nôs ajuda na alguns ária moda museologia, conservação de monumentos, pequenas formações pa antropólogos e ots. Tambe ela fala na karnaval de Olinda (k é um tipo de karnaval k tem mas a ver k nós) , leva pessoas pa oia manera k karnaval lá é enkarod kome um kosa k ta trazé dnher, ta gera empregos, manera k es ta geril. Isso é mut bom, tude isso é de louvar.

Ainda m ta kerdita k dentre de ária de cultura tem ots experiência k einda nô podé proveita des, principalmente na musika, cinema e ots.

M ta otcha k ess é mjor hora pa nô tra proveite disso, pamod tud isso ta integrod na política externa de governo Lula, ke ta ke tode um política de aproximação k países de África, principalmente PALOP e África de Sul.

M ta espera k nôs governantes ta fazé tud pa leva isso adiante e m ta espera mas ainda k Soncente e es ot ilha ta bem trá proveite des akorde també. Entom moda kes ta dze na Soncente, “ka nô tcha durmi ptinzim”.

domingo, janeiro 23, 2005

Que Comunicação Social é essa ?


Em muitas sociedades do mundo a comunicação social (imprensa escrita, rádio, televisão e internet) desempenha uma função muito importante, servindo de elo de ligação entre os vários governos e a sociedade civil. Nas sociedades contemporâneas, geralmente a midia é vista como um quarto poder, juntamente com o Legislativo, o Executivo e o Judiciário, e como geradora de opinião pública.

Qualquer democracia é estrangulada a partir do momento em que os meios de comunicação de massa são controlados. Para que o cidadão possa fazer uma opção política consciente, este precisa de estar munido de informações adequadas sobre quais são os projectos em discussão, quem os apóia, quais são os beneficios desses projectos, em quê podem ser prejudiciais, quais são as alternativas possíveis e os desafios a serem enfrentados. Mas para isso a informação tem que ter, acima de tudo, um caráter plural.

Considero que, para além de informar adequadamente, a comunicação social deve criar plataformas para debates locais e nacionais, servir de ponte interactiva entre a sociedade e os governos nas suas mais variadas dimenões, actuar como porta voz de toda as camadas da sociedade, constituir-se num veículo educativo, ser um instrumento para melhor compreensão da realidade caboverdiana e principalmente um meio para o desenvolvimento de Cabo Verde.

Mas em Cabo Verde, que comunicação social é essa que temos? O que estes tem vindo a fazer? Acho que se perdeu uma boa oportunidade para fazer uma reflexão, aquando da comemoração dos 20 anos de existência da Televisão de Cabo Verde (que para mim continua sendo a Televisão Experimental de Cabo Verde ou TVEC), em vez de fazerem aquela Gala, que de galante tinha muito pouco.

As vezes quando pego num jornal, ou abro a rádio ou a televisão fico perguntando se em Cabo Verde estamos brincando de televisão, rádio, jornal ou se temos jornalistas formados, sérios, competentes, mas que ainda não decidiram começar a fazer uso do seu potencial e poder de criação. É uma vergonha!!

Pelo pouco que conheço de jornalismo ou do trabalho jornalístico, este “consiste em recolher informações dispersas (através de uma rede de repórteres), “empacotá-las” através de determinados processos técnicos (jornal, rádio, televisão) e, enfim, distribuir o
produto final a uma audiência diversificada.”

Nota-se que os repórteres são quem devem recolher as informações, ou seja, correr atrás do que pode ser notícia. Aqui não, as noticías correm atrás dos repórteres, implorando para que sejam colocadas no ar ou no papel. Isso é preguiça fisica e mental, sempre travestido da desculpa que “não temos meios.” Ora, por favor, pelo menos arrumem outra desculpa porque já cansamos desta!!

Uma dúvida que me inquieta já faz algum tempo é saber se, por acaso, algum dos meios da nossa comunicação social tem um Plano Editorial, ou uma politica editorial que norteie os seus trabalhos. Ou será que não é preciso, cada um chega na rádio, coloca uma hora de música como bem lhe apetece, fala o que lhe vem a cabeça (quando não grita, como é hábito em algumas das rádios que temos por aqui) e vai embora.

Acho que nós, os cidadãos, contribuintes da taxa de RTC nas contas de luz e água (mesmo aqueles que não tem tv ou que escutam rádios a pilha) merecemos outra coisa, que não seja essa porcaria que invade as nossas casas diariamente, esses panfletos que saiem semanalmente para a delícia de alguns militantes fanáticos e outro modelo de rádio que não nos veja simplesmente como consumidores e sirva para nos estressar com seus berros e leviandades. Como disse um grande especialista em Comunicação: “O mercado reduz informação e cultura a elementos da disputa pela audiência (ou, melhor, pelas verbas publicitárias), o que leva à padronização dos conteúdos e à tendência a tratar o público como consumidor, e não cidadão.”

Portanto, precisamos urgentemente de alternativas, de um sector de radiodifusão, televisão e imprensa pública independente de pressões governamentais e que não estejam submetidos aos imperativos do mercado. Todos sabemos que isso não cai do céu, fácil não é. Pressupõe organização, trabalho, dedicação, seriedade, fontes claras de financiamento, tempo e investimento. Mas sendo que essas alternativas ainda não existem e continuo acreditando plenamente na capacidade e criatividade dos caboverdeanos e das caboverdeanas, queria deixar aqui algumas sugestões para que tenhamos uma midia diferente (principalmente a rádio) e com um pouco mais de qualidade.

Acredito que com as tecnologias que hoje possuimos, fica mais fácil fazer um programa de rádio. Através da internet temos o mundo a nossa frente, temos um árquipelágo chamado Cabo Verde, que ainda tem temas e mais temas a serem explorados. Portanto, instrumento temos e temas para programas é o que não falta. Por exemplo, porque não fazer:

1. Programa sobre meio-ambiente nacional e internacional, onde se possa falar de educação ambiental, recursos naturais, recursos hidricos, etc.
2. Programa de economia, onde se possa falar da economia nacional e, principalmente, da internacional, falando de mercados, cotações, etc.
3. Programa onde possa ser abordado os direitos humanos, direitos de consumidor, direitos trabalhistas e outros.
4. Programa de curiosidades sobre Ciência e Tecnologia.
5. Programa sobre História e estórias.
6. Programa sobre Cultura nacional e internacional, com saber popular, música, arte, cinema, hábitos, lendas e mitos
7. Programa sobre Vida e Cotidiano.


Enfim, estes são só alguns exemplos de assuntos a serem explorados. Por favor, você, cidadão, que também está inquieto com essa nossa Comunicação Social e quer refilar para termos algo de diferente e de melhor qualidade, deixa a sua sugestão no Comments ou mande um email para inkietod@yahoo.com que publicaremos o seu texto.

terça-feira, janeiro 18, 2005

"kultura e diamanti di Cabu Verdi"

dia 18.01.05, 18:30... inkontro de artistas, pessoal ligode a arte em geral, produtores, agentes kulturais de praia kom Ministro de Kultura na Biblioteka Nacional, foi longo i sem nenhum direção defenido, onde k fká demonstrod klaramente ma nos ministério kultura i ses instituição, ta sem rumo nem direção!!

Nos ministro, Sr. Dr. Manuel Veiga, katem muito tempo na governo. i fká klaramente a sensação ma el kata por dentro de muita koisa k tita passá atualmente na meio artístico caboverdiano. Perguntas, alguns muito objectivos depará k respostas vagas e desorientadas de nos ministro k até e um pessoa muito sensível a kestões de kultura. Mas responde "kusé kin podi flou... ", "no ka podi fazi nada...", "nu sta ben djobi kuzé ki nu podi fazi..." e ka respostas digno de um ministro...infelizmente n ka pude usá de palavra pa manifestá nha opinião, exprimi nha sentimento perante polítika (????) de governo sobre nos estado atual d kultura... pelo k n kria aproveitá es espaço pa manifestal.

Cabo verde e um país k mais d 500 one de história, 30 anos de independência, 14 one de demokracia plena e um data d'one d kultura!!!!! ma mesmo assim tava ta parce moda se no tava num debate pa "espiá" (sim, expressão e esse!! espiá!!) um forma de komeçá ta trabaiá na um rumo pa nos kultura!!!!! então? kes ot ministério tudo k teve lá nada ka faze?? sim, e k Senhor Ministro tava ta fala sima se no tita estruturá um NOVO ministério de kultura i k tud dossier anterior saí junte k kel ultimo ministro e k teve lá!!!

Ok.. ate aí tudo bem.. n ta intendel.. el kre faze tudo d novo.. faze kosa dret... dá mais atenção a nos kultura kel mesmo apelidá d nos "diamanti". ok. mas.... monera?!?! na um one de governação? sim.. ka nos eskce k dakianada ta komeçá kampanha.. eleições e já próximo one! Enton senhor ministro katem mute tempo pa realizá txeu obra não.. ma mesmo assim.. tem koisas k pode ser feito.. tem koisas k pode ser traçod de forma a k outros ministros k entrá depos dele pode dá kontinuidade...!!

Senhor Ministro dze ma pa el desenvolvimento da kultura de cabo verde ta passá pa 3 ponto:
1.Investigação 2.Preservação 3.Criatividade
Na nha ver, kualker ação ligod a kultura na esse cabo verde de nos, tem k passá indubitavelmente pa um formação d nos própria pessoa em relação a nos kultura.. ou seja.. monera k no kre tem kualidade, criatividade, preservação, investigação, kuando nos povo ka sabe nem o kes tem nem o kes kre nem o k realmente e d nos i k valor kel tem?!?!?

Ok.. no ser mais prátikos: na um sociedade moda esse de nos, onde k no tem um Presidente de Camara k um dia dze (kom muita emoção), à kuando de vinda de kes rapazin ma kes menininha de OT (operação triunfo....alguem ta lembrá???) pa cabo verde, (n tita citá exatamente o kel dze):
" A vinda dos alunos da OT à cabo verde é um marco HISTÓRICO nas realções entre portugal e caboverde"

Ja bzot oiá ma no tita lidá kun sociedade kompletamente desedukada de ALTO À BAIXO.. sim.. konde no tem polítikos ta komportá dess forma o k k no pode esperá de nos povo?? No tem um sociedade onde k novela ta ditá forma de vivê!! kem k kata lembrá monera k kel novela "O CLONE" marcá ess povo: parce um data de grupos de dança de ventre, tud gente kria visitá Marrocos, tud gente passá ta kurti musika árabe, tud gente passá ta dze "não é brinkedo não" ou até palavras árabes usod na novela passa ta ser usual na nos vokabulário de dia-a-dia....

Enfim.. esse e so UM exemplo.. sim , se n bem sentá ta enumerá exemplos n tava perde na objectivo kes eskrita tudo!! Mas realmente kualker evolução de nos kultura li dentro de nos próprio país tem k pássa inicialmente pa um EDUKAÇÃO de nos gente!!! sim.. e preciso URGENTEMENTE komeçá ta ensiná nos povo a oiá ma no tem valores, k ka meste no ba tra kosas d ots sociedades k nada katem k nos pa no mete na d nos!!
Aí k 'n ta otxa ma Ministerio de Kultura, juntamente k kes data de instituição ligod a kultura podia komeçá ta trabaiá na esse sentido... ou seja.. na um sentido prátiko: ensina ess povo de nos a apreciá KUALIDADE!!! A sabe distuingui o bom de mau, o k vale a pena aplaudi i o k é lixo!!!
De k vale um artista faze um bom traboi, um bom peskisa, ter kriatividade pa na fim se traboi ka ser percebido pa um povo não habituod a kualidade i kosa dret?? nos tud oiá monera k até jornalistas de nos terra tava emocionod k kes rapazin ma kes menininhas d OT.. enfim.. txeu dês ka tmá fe ma kel kosa era simplismente um manobra komercial de alguns produtores la pa estranger kom uniko objectivo de ganha dnher i dpos mandá kes rapazes ba passeá!!! ma pa txeu gente (inkluindo polítikos i pessoas d respeito d nos governo) oiá uns estudantes faze "cover" de musikas de anos 60 - 80 foi algo d extraordinário i k nunka es tinha visto espetákulo mais emocionante do k akele na estádio da várzea... enfim,...
As vez ta dam vontade de desisti.. porke realmente e triste vive na um sociedade assim.. ma não!!! n katita bem desisti nem flássa!!! pamo mi e REFILON!!! i n ta kerditá ma no pode emdjorá. Ta parcem k pa es governantes e mute mas emdjor k no permanece kitin, dzegod, na nos ignorancia.. klaro.. dirigi um povo sem konhecimento e mute emdjor!! ma NÃO!! ja txgá hora de no komeçá ta exigi kualidade!! Ma pa isso tambe e preciso no trabaiá nos mesmo na esse sentido... e preciso união de tud gente pa mostrá ma e possivel no faze nos terra avançá na bom sentido!!!!!

segunda-feira, janeiro 17, 2005

Inkiet Sempre!!!

Ness jete pós-moderno de ka kre sabe de nada, d largá kosa da mon moda kes ta, mod no ka ta pode muda nada; Ness apatia k ta caracteriza nos juventud e nos sociedade; Cansod dess pose k no ta vive e k vontade de da um griteeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee, K' n pensa na faze ess blog k é Inkiet!

M ka tem pretensão de kompo munde nem nada disse, Mi é simplesmente um cidadão inkietod k kre faze use dess novo tecnologia pa exerce mjor nha cidadania ness Estado de Direito Democrático, Contribuinde assim pa um Cabe Verde mjor pa nos tud vive e não um paraise só pa uns!

Ess é nôs e bsot ferramenta pa ser refilon kontra alguns cosa k no ka ta konkorda

.... .... .... ....

Nesse jeito pós-moderno de não querer saber de nada, de deixar as coisas como estão porque não podemos fazer nada para mudar; Dessa apatia que caracteriza a nossa juventude e a nossa sociedade; Cansado dessa pose em que vivemos e com uma vontade enorme de Gritaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaar, Que nasceu ess blog que é o Inkiet (Inquietado)!

Sem a pretensão de resolver os problemas do mundo, sou apenas um cidadão fazendo uso dessa nova tecnologia para exercer melhor a minha cidadania nesse Estado de Direito Democrático, contribuindo assim para um Cabo Verde melhor para todos e não apenas um paraíso só para alguns.

Essa é a nossa e também a vossa ferramenta para reagir (refilar) contra as coisas que não estamos de acordo.